Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Acerca Da Professora Na Playboy

 

É o assunto da berra aqui no nosso cantinho Tuga, com direito a notícia nos telejornais de todas as estações de TV.

 

Parece que um professora de AECs, e agora é preciso esclarecer uma coisa, uma mera questão técnica, foi paga para posar para a Playboy.

Ora vamos lá ao esclarecimento: Uma professora de AECs não é uma “professora primária”, como tem surgido por aí. Designa-se professora primária ou do 1º ciclo aquela que é a titular da turma, portanto, a professora Bruna é uma professora de Expressão Musical, é uma AEC (Actividades Extra Curriculares).

 

E porque é que faço este esclarecimento? Pois é, agora é que a porca torce o rabo. Embora sejam ambas professoras, a diferença está no estatuto, nas remunerações e por aí afora. E muitas vezes as AECs têm mais habilitações do que quem está à frente (que é titular) de uma turma do 1º ciclo.

 

Os AECs para poderem dar aulas, não concorrem ao concurso de docentes. Não. São contratados pelos organismos que ganharam o concurso das Câmaras Municipais. Embora para as AECs a comparticipação do estado por cada aluno até não seja má, todos têm que encher os bolsos, menos os professores. Assim, os professores de AECs são pagos desde 7.5€/horas até 13.0€ e, muitas vezes, os horários são minúsculos. Ah, e o melhor… são pagos a recibo verde! Isto implica fazer descontos brutais para a Segurança Social, não ter direito a subsídios de Férias ou Natal, se faltarem justificadamente não recebem, entre muitas outras coisas.

 

Agora digam-me lá se a professora não fez bem? Uma pessoa farta-se de trabalhar para ganhar uns míseros tustos e se alguém fizer uma proposta irrecusável para aparecer descascada numa revista, dizemos não? E se até somos, bonitas, jeitosas e jovens, dizemos não? É claro que dizemos sim, principalmente se formos professoras de AECs.

 

Não me venham com falsos puritanismos e hipocrisias, nem com a treta do exemplo a seguir. Vivemos numa sociedade em mudança, desestruturada, em que os alunos são piores que os professores.

Então os pais não devem ser exemplos para os filhos? E os políticos, não devem ser exemplo para os cidadãos? E porque é que a os professores têm de levar sempre pela medida grande?

A hipocrisia é de tal tamanho que a revista esgotou na zona, e de certeza que não foi comprada por mulheres, tal foi a apreciação positiva da presença da professora estampada naquelas páginas!

 

Na minha opinião, a professora fez muito bem em posar para a Playboy. Ganhou uns trocos valentes e daqui a uns tempos já a poeira acalmou e ela volta a dar aulas que, provavelmente, é o que ela gosta de fazer.

 

No entanto, deixo aqui um alerta, se precisarem de outra professora para posar para a Playboy podem entrar em contacto comigo. Mas com antecedência, por favor, que é para eu pintar o cabelo de loiro, pôr lentes de contacto castanhas e last but not least fazer o bypass gástrico!

É que aquele dinheirinho dava cá um jeitaço com esta crise…

 

 

P.S. se calhar até fui eu que posei para a Playboy... é que o cão é igual ao meu Pimentinha!

 

 

Plástica vs. Cabeleireiro

Há uns dias atrás deparei-me com esta foto num jornal de grande tiragem em Portugal.

 

Eu nem queria acreditar no que estava a ver. A menina do primeiro plano é só silicone e plásticas mas pelo menos está "arranjadinha", digamos assim, embora pareça um bocado de toucinho. Podia ter feito um bocadinho de solário.

 

Mas a mana, que está num plano secundário, ó valha-me Deus! Não podia ter passado antes no cabeleireiro para dar um jeitinho ao... "cabelo"?! Ora apreciem lá bem. Ampliem a foto se for preciso. Lol!

 

Não podia ter feito uns totós, umas tranças ou um rabo de cavalo? Um alisamento japonês também não ficava mal mas depois as pilosidades davam-lhe aos joelhos, o que era chato porque se viam a aparecer debaixo da saia.

E uma aparadinha? Já que era para a foto, escusava de ter uma floresta tão selvagem. É que aquilo deve assustar qualquer explorador por mais ousado que seja!